Fashion Rio. Como será o Verão 2010?

Adorei o editorial da Gloria Kalil no Chic e divido aqui com quem ainda não viu…

O que poderíamos destacar como as mais recorrentes propostas para o próximo verão (já que não se fala mais em tendências)? Anote aí os itens que mais vimos aparecer nas passarelas da plataforma carioca:

Vestidos curtos para o dia e para a noite em duas versões de saia: reta ou arredondada (ainda na pegada da saia ovo). O decote em geral é o tomara-que-caia ou o de alcinhas, ou o drapeado.
Nude – o bege rosado apareceu tanto nos sapatos como nas roupas.
Transparência – apenas um efeito de velatura. Nada de transparências escandalosas ou explícitas.
Cores acesas – sozinhas ou acompanhando um bege neutro. Muito coral, laranja, rosa, azul, verde.
Franjas
– aqui e ali elas apareceram tanto na praia como na noite.
Paetês – o povo gostou do brilho e não quer saber de outra coisa. Mais uma estação de muito paetê.
Poás – há muito não se via poás nas passarelas. Pois este verão eles estão timidamente pedindo passagem.
Branco – muitos desfiles abriam com roupas brancas. Dos pés às cabeças.
Cetim – usado tanto para roupas para a noite como de dia, lisos ou estampados.
Praia – o que mais se viu foram peças “tudo menos praia”, ou seja, maiôs que só serão usados como bodies ou como lingerie. Bonitos, mas nada ordinários.

De novo uma estação onde o que vai contar é o estilo de cada um. Repetindo o que digo sempre: Moda é oferta, estilo é escolha. Faça as suas.

Anúncios

Karlla Girotto: Moda, Cavalera e mais

Gente, esta é uma entrevista que eu fiz com a querida estilista Karlla Girotto, que foi minha professora na Oficina de Criação: Pesquisa de Moda, evento paralelo ao Paraná Business Collection.

Esta entrevista contou com o apoio da minha querida amiga e jornalista Cristina Bedendo, do Jornal Vale Paraibano, SP. 

CC: Como você vê atualmente o mercado da moda no Brasil em relação à crise que vivemos hoje?

Karlla: Moda é sempre uma alavanca e um termômetro de crises, mas como lida com a criatividade e inovação, também pode se tornar uma porta de entendimento de futuros caminhos para as crises, vide movimentos de moda que aconteceram nos pós guerras (1 e 2a grandes guerras ). Então, sem querer ser Polyana, sou otimista.  

CC: Além de Estilista, você também é professora. Temos muitos cursos de moda oferecidos em todo o país. Tem mercado para todos esses jovens?

Karlla: Sempre digo que para cada estilista existe uma equipe de realização  e produção executiva. Então, não se fixem somente na idéia de serem estilistas, mas busquem caminhos dentro da própria profissão, inúmeros e interessantes: modelistas, compradores, desenvolvimento de produto. Enfim, as possibilidades são inúmeras e sendo assim, o mercado é vasto. 

CC: Na sua opinião, o que falta na moda brasileira?

Karlla: Foco 

CC: Como foi sua ida para a Cavalera? Você será Diretora de Criação da Grife?

Karlla: O diretor criativo hoje é o dono da Cavalera, Alberto Hiar, que me convidou a fazer um trabalho pontual, que é o próximo desfile. 

CC: Você continuará com outros projetos paralelos, assim como sua marca própria, ou vai trabalhar só com a Cavalera?

Karlla: Sim sim sim 

CC: Eu vejo muita coisa em comum entre você e a Cavalera, como criatividade e irreverência. Como será a coleção da Cavalera com o tempero de Karlla Girotto?

Karlla: Ah, falta pouco para vocês virem isto, então esperem só mais um pouco… 

CC: Nesta coleção de verão 2010 você já estará na marca? Em caso afirmativo, você pode adiantar algo sobre esta coleção, que estará no próximo SPFW?

Karlla: Sim, já estou na marca mas não posso adiantar nada 

CC: Qual será a sua atuação neste desfile?

Karlla: Um job pontual, trabalho de construção de roupa e imagem  

CC: O que você acha dessa proposta de unificação dos eventos da moda brasileira, com o Paulo Borges à frente do Fashion Rio? Isso será positivo para os estilistas?

Karlla: Ainda é cedo para sabermos, não sei te dizer. 

eu e Karlla Girotto

eu e Karlla Girotto